17.5.17

Leão, o Africano

Leão, o Africano
Amin Maalouf
1986
Romance

Parece que estamos presos em 86? :o Este livro foi um empréstimo do meu pai ao Qui, que infelizmente nunca teve oportunidade de o apreciar, porque eu lho roubei para ler. Foi uma leitura simplesmente fascinante!

Fala sobre um homem, o tal Leão, um muçulmano do século XV-XVII que viveu grandes aventuras enquanto embaixador, mercador e, mais tarde, como protegido do papa em Roma. Considerando que esta pessoa existiu realmente, este livro terá tido por trás um intensíssimo trabalho de pesquisa, que se revela pela atenção ao detalhe, quer nas personagens, nos seus hábitos e também nas paisagens.

Viajamos para um mundo encantado, como só ouvimos nas fantásticas histórias de Xerazade, mas que terá existido na realidade, antes de nós termos lá ido deitar tudo abaixo. São-nos mostrados detalhes culturais, em que a vida está sempre dependente da religião mas a religião (muito ao contrário do que pensamos hoje em dia!!!) não impede a vivência normal das pessoas. Os elementos religiosos estão perfeitamente integrados na sociedade de então e aparentemente todos conseguem viver mais ou menos felizes com as suas situações.

Hassan, o nosso protagonista, casa-se diversas vezes, com ou sem paixão, descasa-se também, viaja muito, fica perdido em muitas situações e acaba por se encontrar num mundo que não é o seu, não podendo revelar muito daquilo em que acredita sob o risco de ser inquirido e, posteriormente, preso ou assassinado de alguma horrível maneira. Esta visão do mundo europeu pelos olhos de um muçulmano é, de todas as partes, a mais negra mas também uma das mais curiosas.

De resto, lemos este livro como se de uma história de encantar se tratasse. Porque, realmente, encanta!

1 comentário:


  1. ...para variar, teu comentário proporciona uma "viagem" meteórica e límpida ao livro, permitindo mesmo novos olhares sobre personagens, imagens, novas visões de imagens estranhas e fortes que aquele Autor nos dá...
    Teu poder de síntese, tua concisão, a elegância do teu coment, a precisão dessa revisão aproximam-te do Autor e de sua erudição. (...nada a propósito: quem é "Qui"?)

    ResponderEliminar